Suicídio: prevenção Setembro Amarelo – Jane Lemos

setembro-amarelo

jane-lemosSegundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o suicídio constitui importante problema de saúde pública, vitimando cerca de 1 milhão de pessoas, anualmente, no mundo. As estimativas mostram que para cada suicídio, existe pelo menos dez tentativas suficientemente sérias para acompanhamento mé- dico e terapêutico. O ato suicida é consequência de um processo complexo requerendo uma abordagem sistêmica, razão pela qual estudos de Durkheim consideraram o suicídio como um processo de construção coletiva,portanto, pode-se considerar que o tema requer uma visão e atuação interdisciplinar.

Revisão da literatura por Beston, aponta para intrínseca relação entre ideação, tentativa e concretização do ato suicida. Enquanto Forsell e alunos apontam a relação entre ideação e depressão com dependências diversas, institucionalização e uso de drogas psicotrópicas. No entanto, esta questão ainda é pouco investigada e relatada.

A literatura aponta relação entre transtornos mentais e suicídio entre pessoas idosas – com mais de 65 anos – nas diversas sociedades se revestindo de grande importância, atingindo 24,3/100.000 e as tentativas de suicídio, 61,4/100.000.

Pode-se considerar o suicídio como um evento complexo com múltiplas causas, embora alguns pesquisadores apontem transtornos afetivos, principalmente depressão. No entanto, o que se constata, é uma dificuldade das pessoas lidarem com alguém que fez uma tentativa de suicídio. Por outro lado, há uma também uma resistência em lidar com pessoas que falam em suicídio, pois entendem que não pretendem consumar, é apenas uma forma de chamar atenção. Na realidade, isto deve ser visto como um pedido de ajuda, segundo Mônica Kather, voluntária da ONG Centro de Valorização da Vida.

Macedo, psicanalista especializado em suicídio e professor da PUC/RS, destaca a importância da ONG Centro de Valorização da Vida (CVV), criada em 1962, pelo seu trabalho na prevenção do suicídio.

Os fatores de risco do suicídio são citados por Prieto & Tavares como ligados à saúde mental: desordens do humor – depressão, transtorno psicótico como esquizofrenia, abuso de drogas e/ou álcool, história familiar de suicídio, perda de relacionamentos afetivos, acesso a medidas letais como arma de fogo, confinamento, prisões, etc.

O fenômeno do suicídio exige um olhar específico para intervenção em crise, contextualizada por múltiplos fatores, devendo citar a importância de se contar com o suporte de uma rede de atenção.Tendo em vista a complexidade e relevância do tema, a ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE definiu o SETEMBRO AMARELO –como MUNDIAL DE PREVENÇÃO AO SUICÍDIO.

Em Pernambuco, as entidades mé- dicas sempre atentas à problemática da população e dos médicos, tem demonstrado preocupação com o suicídio, inclusive na categoria médica. Diante deste lamentável fato, as entidades medicas de Pernambuco tem estado atentas publicando sobre o tema e realizando eventos alusivos especialmente no SETEMBRO AMARELO.

Desta forma, a AMPARE – se alia ao movimento do setembro AMARELO com o objetivo de contribuir com a redução do suicídio, sério problema mundial de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

*Psiquiatra – Diretora Técnica da AMPARE – Secretária Geral da AMPE e Conselheira do CREMEPE

Artigos relacionados

Envie seu comentrio

Your email address will not be published. Required fields are marked *

COMO CHEGAR



AMPARE
Associação dos Amigos dos Pacientes de Pânico
Rua Osvaldo Cruz, 393
Boa Vista - Recife - PE
Fone: (81) 3222.6252

FACEBOOK

FALE CONOSCO