Angelina Rodrigues: O Quarto e Inquilina Desagradável

 O Quarto

Talvez para você e para muitos aqui seja apenas um
quadrado, um quarto.
Um quarto qualquer.
O que é um quarto?
Apenas um espaço para guardar objetos e descansar
ao final do dia?
Eu vejo muito mais, muito mais…
Travesseiros feitos de sorrisos e lagrimas.
Meus livros e discos, a coleção de vinis antigos.
Infância, adolescência e a parte difícil de crescer.
Eu vejo muito mais, muito mais…
O quadro pintado por um artista famoso, as fotografias
com os amigos.
As lembranças das viagens e mais livros…
Um quarto é tipo um refugio secreto e predileto, onde
se tem detalhes que contam tantas historias.
Telhado que cobre planos e sonhos,
Paredes de versos das tristezas e dos amores.
A janela dos pensamentos distantes, perdidos.
O colchão do sono, do tédio e de amar a dois.
O lugar favorito, o esconderijo…
O meu lugar.
O que é um quarto?
Pra você o que significa o seu quarto?
Apenas um espaço para guardar objetos e descansar
ao final do dia?

 Inquilina Desagradável

Penso nas horas que tenho perdido com essa
enfermidade inconveniente que insiste em não desistir de
mim.
Não tenho charme algum, meu corpo uma pobre moradia de paredes mal feitas, ausência de cimento de vitaminas.
Não entendo as razões de ela escolher a mim para se
abrigar.
Penso nas horas que tenho perdido com essa
enfermidade inconveniente que insiste em fixar suas
raízes, gritando constantemente: ‘’ Estou aqui e daqui não
irei sair’’.
Finjo que não escuto,
Finjo que não sei que em mim ela vive e que aos poucos
consome a chama de minha vida.
Deito, levanto, deito, levanto.
Mais um comprimido para dor.
Olhos fechados esperando a resposta dessa guerra
interna, entre eu e ela, quem vencerá hoje?
Deito, levanto, deito e choro.
Penso nas horas que se passam nos dias e meses nesse
quarto.
Levanto, deito, levanto, deito.
Desisto de levantar.
Choro e penso nas horas que perco sentindo essa
inquilina desagradável morar em mim.

angelina Angelina Rodrigues nasceu em 1991 na cidade de Olinda,
Pernambuco. Na infância começou a escrever as suas primeiras
poesias e desde então não parou de criar. Durante a faculdade de
Turismo conheceu o mundo das artes cênicas, utilizou o palco como
um espaço para dar vida à sua escrita. Escreveu esquetes de teatro,
entre elas está ‘‘ Recordação de Nelson’’, qual foi encenada no teatro e
ganhou o premio de Artes Cênicas. Sua intenção é escrever conteúdos
de teor reflexivo, sentimental e que mostra que em tudo na vida há
beleza que gera a poesia.

Artigos relacionados

Envie seu comentrio

Your email address will not be published. Required fields are marked *

COMO CHEGAR



AMPARE
Associação dos Amigos dos Pacientes de Pânico
Rua Osvaldo Cruz, 393
Boa Vista - Recife - PE
Fone: (81) 3222.6252

FACEBOOK

FALE CONOSCO